terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Ministros viram alternativas da direita no RN para 2022


A política é capaz de gestar reviravoltas inimagináveis. Ao fim das eleições de 2018, parte da massa das redes sociais celebrava a derrota de Rogério Marinho como um “castigo” por apoiar medidas impopulares como a reforma trabalhista.


Ainda havia o melancólico fim da passagem de Robinson Faria (PSD) que enfraqueceu o deputado federal Fábio Faria (PSD) que se reelegeu com dificuldades.


Hoje os dois são ministros (respectivamente do desenvolvimento regional e comunicações) e cotados para voos maiores na política potiguar. Com os oligarcas das famílias Alves, Maia e Rosado em baixa há um vácuo no campo da direita no Rio Grande do Norte para 2022.


Especula-se (e se força a barra também) que Fábio Faria disputaria o Senado e Rogério Marinho o Governo do Estado ou vice e versa.


Pouco se leva em conta que Fábio mal aparece no Estado e tem residência fixa em São Paulo onde mora com a esposa Patrícia Abravanel, filha do empresário Sílvio Santos. Rogério tem mais ligações com o Estado, mas tem pouco apelo popular.


Neste campo eles ainda terão que enfrentar o melhor quadro dos oligarcas, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT), e o senador Styvenson Valentim (Podemos).


Por enquanto os ministros vão tentando ocupar os espaços de forma artificial. Se vão se viabilizar será uma outra história.


Por Bruno Barreto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...