domingo, 27 de outubro de 2019

Jovens cristãos têm melhor saúde mental do que aqueles que não frequentam a igreja, diz estudo



A religiosidade nos Estados Unidos pode estar em declínio, mas a geração do milênio e a geração Z, que aderem a uma tradição religiosa e frequentam a igreja, relatam melhor saúde mental e menos sentimentos de ansiedade sobre o futuro, de acordo com um novo estudo de uma empresa de pesquisa cristã.


As descobertas foram parte de um estudo chamado Connected Generation, que pesquisou mais de 15.000 jovens adultos entre 18 e 35 anos em 25 países para determinar se havia uma ligação entre a prática religiosa e o bem-estar mental.


O Barna Group, que se autodenomina uma “fonte de ideias sobre fé e cultura”, conduziu o estudo em conjunto com a World Vision, uma organização cristã de assistência
“Além de fornecer muitos sinais esperançosos sobre as oportunidades à frente dessas gerações, o estudo mostra conexões poderosas entre a prática da fé e o bem-estar geral”, disse o presidente do Barna Group, David Kinnaman.


“A ansiedade sobre decisões importantes é generalizada (40%)”, anunciou o resumo das principais descobertas do relatório, “bem como a incerteza sobre o futuro (40%), o medo de fracassar (40%) e a pressão para ser bem-sucedido (36%).”

O site de estilo de vida cristão Relevant divulgou as descobertas como um chamado para voltar ao rebanho, relatando que “enquanto as igrejas lutam para conter um êxodo bem documentado de membros de seus bancos, novas pesquisas sugerem que as pessoas que estão saindo podem estar perdendo”.

A publicação citou uma maior autoeficácia entre os “cristãos praticantes”, 43% dos quais disseram que se sentiam “capazes de atingir objetivos”, enquanto 29% dos não religiosos professavam a mesma autoconfiança.

Além disso, 51% dos cristãos praticantes que frequentam a igreja relataram sentir-se “otimistas em relação ao futuro”. Por outro lado, apenas 34% dos entrevistados que não se identificam com nenhuma religião disseram que eram tão otimistas.

Espiritualidade e bem-estar




As descobertas estavam alinhadas com o que a Aliança Nacional sobre Doenças Mentais tinha a dizer sobre a relação entre espiritualidade e bem-estar mental. O NAMI apontou para um estudo de 2013 que encontrou uma correlação entre religiosidade e taxas reduzidas de suicídio, alcoolismo e uso de drogas.


A organização também distingue entre prática religiosa organizada e espiritualidade, dizendo que não é necessário praticar necessariamente uma religião específica para colher os benefícios psicológicos da religiosidade. Segundo a NAMI, a espiritualidade individual oferece “uma filosofia de vida significativa” e “confere um sentimento de pertencimento ao mundo”, enquanto a participação na religião organizada oferece estrutura e conexões sociais aos seguidores.


O resumo das descobertas do relatório no site Connected Generation não detalhou os níveis de ansiedade relatados pelas pessoas identificadas como pertencentes a tradições religiosas não-cristãs, mas disse que os entrevistados incluíam “ex-cristãos [e] adeptos apaixonados de outras religiões.”


“A pesquisa revela uma geração de adultos motivados, cautelosos e cansados, lutando com perguntas, desejando relacionamentos mais profundos e enfrentando obstáculos sociais, profissionais e pessoais significativos”, comentou Alyce Youngblood, diretora editorial de Barna e escritora sênior da Connected Generation.


“No entanto, também descobrimos que a fé é um fator importante associado ao seu bem-estar, conexão e resiliência. Quando – ou, para muitos, se – eles entrarem em uma igreja, precisarão de ensino concreto de líderes em quem possam confiar e oportunidades significativas de contribuir para uma comunidade de fé”.
Fonte: Guia-me com informações de Newsweek

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...