terça-feira, 15 de outubro de 2019

Cristão é morto pela própria família após anunciar sua conversão no Facebook



Hussein Mohammed era o nome que eles deram a ele no nascimento. Mas quando o muçulmano Mohammed chegou à fé em Jesus Cristo, ele preferiu ser chamado pelo nome batismal de George. George foi morto em 6 de outubro por seus parentes depois que o cristão egípcio postou fotos no Facebook reconhecendo sua conversão do Islã ao cristianismo.


De acordo com a International Christian Concern e a CBN, sua família sabia sobre sua conversão antes dessas publicações, e seu tio havia apresentado queixas sobre isso na Diretoria de Segurança. No entanto, as postagens no Facebook foram um reconhecimento público de sua conversão. As fotos incluíam a imagem de uma tatuagem cruzada que George colocara no pulso, uma prática comum entre os cristãos coptas ortodoxos egípcios.
Continue lendo após o banner

No Egito, onde o Islã é a religião do estado, os cristãos representam apenas dez por cento da população. Portas Abertas, que monitora a perseguição aos cristãos em todo o mundo, o Egito ocupa no número 16 na sua lista de vigilância dos piores nações que perseguem cristãos. Embora o presidente egípcio El-Sisi tenha manifestado publicamente seu compromisso de proteger os cristãos, as autoridades costumam relutar em defender os direitos fundamentais dos cristãos devido à cultura muçulmana dominante. Os cristãos egípcios se sentem inseguros e extremamente silenciados.


O Open Doors relata múltiplos ataques contra cristãos egípcios apenas nos últimos anos.

Em dezembro de 2017, um homem armado abriu fogo no Cairo contra uma igreja e uma loja próxima de propriedade de cristãos. 11 pessoas morreram como resultado do ataque.

Em julho de 2018, uma multidão atacou cristãos em uma vila em Minya, quando moradores muçulmanos ficaram irritados com uma publicação no Facebook que consideravam blasfêmia.

Muitas meninas e mulheres cristãs se tornaram vítimas de assédio sexual, sequestro e estupro. Em apenas um mês (abril de 2018), pelo menos sete casos de seqüestro foram documentados.

No início de novembro de 2018, militantes do Estado Islâmico atacaram um ônibus que transportava cristãos coptas de um mosteiro em Minya, matando oito pessoas e ferindo mais de 13.

Segundo o Portas Abertas, as redes sociais se tornaram uma nova ferramenta útil para os extremistas islâmicos usarem contra os cristãos.


A vida é especialmente imprevisível e perigosa para muçulmanos como George, que rejeitam o Islã e decidem seguir a Cristo. A comunidade muçulmana os vê como apóstatas e, de acordo com seus ensinamentos, eles são dignos da morte. Os convertidos de origem muçulmana também enfrentam uma enorme pressão familiar para retornar ao Islã. Infelizmente, essa pressão, como no caso de George, muitas vezes leva à violência e até à morte, se o novo cristão se recusar a obedecer.

JM Notícia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...