quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Capelão conta como uma Bíblia ilegal o tirou do comunismo: "Eu a lia escondido"



O capelão da marinha australiana, Miroslav Velebir, nasceu e foi criado na Tchecoslováquia, antigo país comunista (desde 1993 houve a separação, transformando-se em República Checa e a Eslováquia).

Em seu país natal não havia uma tradução integral da Bíblia disponível em eslovaco, sua língua materna.


Os cristãos eslovacos tiveram algumas traduções feitas anteriormente, mas a maioria deles estava significativamente ausente, linguística ou teologicamente. No entanto, Miroslav diz que todos eles sabiam que um grupo de estudiosos estava trabalhando em uma nova tradução completa em sua língua e aguardavam ansiosamente sua chegada.

Até chegar esse dia, Miroslav, então adolescente, simplesmente se contentava com uma pequena cópia ilegal do Novo Testamento que ele lia secretamente debaixo da mesa na escola primária.

E foi esse o caminho que tirou Miroslav do comunismo e o levou para o ministério pastoral e da capelania.

Dificuldades no comunismo

Sob o regime comunista, a Igreja Evangélica da Confissão de Augsburgo na Eslováquia só era oficialmente autorizada a publicar duas publicações cristãs por ano.

Até esses dois textos escolhidos foram cuidadosamente verificados quanto a mensagens subliminares e censurados pelo Ministério da Cultura e pela polícia secreta do governo.

Consequentemente, a maior parte de sua literatura cristã - como o pequeno Novo Testamento de Miroslav - foi impressa no exterior e contrabandeada para o país.

Eles foram impressos sem o reconhecimento da editora e, geralmente, com apenas um título e autor exibidos - e nada mais. Se o autor era checoslovaco, também não havia nenhum autor impresso.

"Era mais seguro assim", explica Miroslav.

Alguns anos depois, ele encontrou seu Novo Testamento ilegal bem encaixado no bolso de seu uniforme do exército enquanto servia seu serviço militar obrigatório.

A antiga Bíblia de Miroslav Velebir. (Foto: Reprodução/Eternity)

“Eu li em todos os lugares possíveis e impossíveis, como ficar diariamente em filas para almoços e jantares; em exercícios secretos do exército na fronteira alemã com os generais russos à vista; me escondendo atrás da chaminé no telhado do quartel do exército, enquanto eu me escondia dos meus deveres para passar dez minutos orando com meu colega soldado cristão”, lembra Miroslav.

Ele achou a Bíblia um começo de conversa perfeito com outras pessoas que lhe perguntaram o que ele estava lendo.

“Eu até li para o oficial que era o segundo no comando de todo o quartel, que me chamou para ajudá-lo a digitar alguns documentos secretos. Depois que eu fiz o trabalho, ele continuou fazendo muitas perguntas sobre minha fé e por uma hora e meia ele ouviu atentamente”, conta.

“Ele nunca tinha ouvido o Evangelho antes. Eu aproveitei qualquer oportunidade para compartilhar seu conteúdo com curiosos”, diz Miroslav. "Esse pequeno Novo Testamento tem ajudado muitos em seus anos.”

Novo Testamento confiscado

Miroslav quase perdeu o livro precioso quando foi confiscado, depois que seus livros foram publicados. No entanto, ele foi devolvido depois que a mãe de Miroslav escreveu às autoridades e as convenceu com sucesso de que estava controlando o comportamento da parte do estado para que fosse adotado.

O estado estava sempre querendo evitar a acusação de estar controlando, diz Miroslav. Ele era "repressivo, mas não controlador", esclarece.

No entanto, mesmo com seu fiel Novo Testamento, Miroslav estava sempre esperando o dia em que receberia uma tradução de toda a Bíblia em sua língua materna.

“Demorou um pouco para chegar até nós”, lembra ele. “Ela foi impressa pela Sociedade Bíblica na Coreia do Sul e levada à nossa fronteira, mas o governo comunista não estava tão interessado em deixá-la entrar em nosso país”.

Miroslav conta que “caminhões com 30.000 Bíblias - de memória, esse foi o número impresso no início - foram mantidos por várias semanas na fronteira alemã com a Tchecoslováquia”.

“Somente após inúmeras intervenções e pressão de nossos amigos e cristãos do exterior, os caminhões foram deixados entrar. Eu consegui minha primeira Bíblia em 1979, aos 17 anos", lembra.

Estudos bíblicos

Uma vez em seu poder, Miroslav diz que embarcou em uma vida de estudos bíblicos vorazes, lendo sua Bíblia de capa a capa.

Depois da escola primária, Miroslav começou estudos teológicos, embora isso não fosse algo simples. O diretor da escola, que normalmente assinaria a inscrição de um aluno para estudos superiores, rasgou sua inscrição. Mas Miroslav perseverou, entrando em contato com a faculdade e recebeu uma solicitação como cidadão particular.

“Mesmo antes de ser aceito no seminário teológico, onde começava a aprender as línguas bíblicas originais, li toda a Bíblia três vezes e meu Novo Testamento cinco vezes”, diz.

Desde então, Miroslav teve que mudar a capa de sua Bíblia algumas vezes e recuperá-la, porque começou a desmoronar. “Ainda é minha Bíblia favorita, pois me lembra aqueles momentos maravilhosos em que estávamos sob a propaganda e perseguição comunistas. Foram tempos de crescimento real, dificuldades e muita alegria por serem considerados, pelo menos moderadamente, um pouco sofridos por nosso Senhor Jesus”, conta.

Miroslav diz que “não tínhamos isso [como algo] tão mal e sempre estávamos atentos a milhões de pessoas que pagam um preço - mesmo o sacrifício final da morte - em muitos lugares do mundo.”

Jan (John) Velebir, pai de Miroslav, está aposentado e tem 87 anos. Ele compartilha a paixão de Miroslav pela Bíblia e a leu de capa a capa 53 vezes.

Jan era um pastor luterano sob o regime comunista. Como todos os pastores, ele era um funcionário do estado no Ministério da Cultura para que o estado pudesse controlar - "reprimir" - suas atividades. Como impedimento, os pastores foram mal pagos (cerca de metade do salário mínimo).

Ministério

Miroslav tornou-se pastor em 1986 e trabalhou em seu país natal até 1991, quando sua primeira esposa faleceu e ele se mudou para Melbourne, na Austrália.

Em 2006, ele foi para a cidade australiana de Perth, onde começou a falar inglês e passou 11 anos pastoreando uma igreja lá. Ele se casou novamente e tem sete filhos e oito netos.

Viver na Austrália após sua infância comunista apenas fortaleceu a paixão de Miroslav pela Bíblia.

“Depois de migrar para a Austrália, percebi que a escravidão do consumismo e a prosperidade oferecidas pelo estilo de vida ocidental significam que muitas pessoas nunca conseguem realmente entender o verdadeiro preço de ser um discípulo de Jesus”, diz Miroslav.

“É muito mais difícil ser cristão quando a vida é tão fácil e confortável. Como as pessoas aqui podem entender: 'Quem perde a vida por mim e pelo Evangelho'?”, questiona. "Minha Bíblia me lembra disso o tempo todo."

Em 2017, Miroslav juntou-se às forças de defesa australianas como capelão da Marinha porque, em suas próprias palavras, "ele estava quase pronto para a aposentadoria".

Mas conversar com o homem de 58 anos deixa claro que a capelania não o impediu de fazer o que mais ama: compartilhar a Bíblia com outras pessoas.

"Passo 95% do meu tempo lidando com não-cristãos", ele diz. "Eu dei 40 a 50 Bíblias."

“Encontrei recentemente um não-cristão cujo avô estava doente e tivemos uma conversa sobre a vida e a morte. Quarenta minutos depois, ele deu sua vida ao Senhor”, ele diz, encolhendo os ombros e erguendo as mãos para cima.

Sua mensagem é clara como um sino. Miroslav obviamente acha que tem o melhor emprego do mundo. "Quem não gostaria desse emprego?", ele pergunta com o gesto.

Guia-me

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...