sábado, 24 de agosto de 2019

Entrevista: Flordelis afirma que não será presa pela morte do marido



Dia após dia, mais informações são divulgadas pela mídia sobre a morte do pastor Anderson do Carmo. A repercussão aumenta. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, no Estado do Rio de Janeiro, onde muitos envolvidos já prestaram depoimento.

Flordelis, viúva do pastor e deputada federal (PSD-RJ), tem sido atacada por alguns filhos em relatos que pouco a pouco vão sendo revelados para o público.

A trama traz um enredo de traição e mistério, um desafio para a Polícia durante os 68 dias de investigações até esta sexta-feira (23).

Procurada pelo Pleno.News, Flordelis decidiu falar a respeito dos últimos acontecimentos que envolvem seu nome como suspeita de ser a “mentora do assassinato” e o que pensa sobre as acusações que vem sofrendo.

A cada dia, mais depoimentos revelados vão criando pressão sobre você, formando um cerco contra Flordelis. Você afirma que todas estas falas são mentira. Em sua opinião, por que tantos filhos estão comprometendo você?
Estes depoimentos já existiam. Apenas foram expostos agora para a mídia. Mas já existiam. Não são tantos filhos que estão me comprometendo. É que a proporção com que sai na mídia tem uma dimensão muito maior. E dá a entender de que são muitos.

Você sempre foi ícone de família e de unidade com muitos filhos. Como você acha que será sua família após a resolução deste triste episódio? O que acha que poderá ser recuperado e o que será perdido?
Continuo acreditando na instituição chamada família. Depois deste triste episódio, minha família continuará de pé. No passado, o que nos uniu, além do amor, foi o sofrimento. Fui chamada de sequestradora, fui humilhada, fui perseguida e virei até fugitiva. Mas Deus me deu vitória e não será diferente agora.

Meu marido morreu. E isso é um fato. Infelizmente, ele não voltará. Mas tudo o que construímos juntos permanece e irá permanecer. Enquanto eu viver, irá permanecer. A justiça será feita. Eu creio nisso.

O que você tem feito em sua rotina como deputada federal? Quais são os seus planos como parlamentar?
Como deputada federal, vou continuar lutando pelo que acredito. Lutando pelos menos favorecidos para que seus direitos sejam, de fato, respeitados. O Rio de Janeiro está um caos. Mas existem muitos deputados federais eleitos pelo povo do Rio que estão lutando. E acredito que o nosso estado tem jeito. E no que depender de mim, vou continuar lutando.

Você disse que vai mudar da casa onde mora. Objetivamente, o que pretende fazer em termos de reorganização de moradia, cotidiano? E como vai administrar a boa convivência no seu lar?
Quero muito mudar de casa. Isso é um sonho. Quero muito mesmo. Mas como vou administrar minha mudança, como vou administrar minha família, isso só vou poder dizer depois porque não farei isso sozinha. Vou fazer com todos os meus filhos juntos, ouvindo cada um deles.

Caso você seja intimada e presa, o que faria em prol de sua defesa e de seus filhos que estariam sozinhos?
Eu não acredito na minha prisão. Porque sou inocente. Acredito no trabalho da Justiça e do meu advogado que está sendo orientado por Deus e de todos os advogados que estão trabalhando comigo neste caso. Acredito muito naquilo que eu canto. E tem uma canção que lancei no ano passado que diz: “Eu sei que está doendo, mas Deus está vendo. Deus vai levantar você. Está luta não vai fazer você parar. Vai passar”.


O caso

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado na madrugada do dia 16 de junho, na garagem de casa, em Pendotiba, Niterói (RJ). O laudo mostrou 30 perfurações pelo corpo, a maior parte nas costas, peito e região da virilha. Anderson era casado há 25 anos com Flordelis, pastora e deputada federal pelo Rio de Janeiro. Sempre ao lado da esposa, ele atuava como secretário-geral do PSD no Estado.
Flordelis e o pastor Anderson do Carmo
Flordelis e o pastor Anderson do Carmo


Dois filhos da pastora estão presos preventivamente, Lucas dos Santos, de 18 anos, e Flávio dos Santos Rodrigues, de 38 anos. O mais velho assumiu ter efetuado seis tiros. Lucas teria ajudado comprando a arma, mas não estaria em casa no momento dos disparos. Os agentes ainda estão investigando os pontos contraditórios.

Um terceiro filho teria afirmado, em depoimento, que não ouviu discussão, barulho de carro ou moto em fuga. Que quando chegou na cena do crime encontrou o irmão Flávio próximo ao pai, caído. Ele garantiu ainda que o celular de Anderson, que está sumido, foi entregue a Flordelis.

Ainda em depoimento, o filho disse que o pastor já recebeu uma mensagem com ameaça de morte e uma das irmãs ofereceu R$ 10 mil a Lucas para que cometesse o crime. Flordelis e três filhas já teriam colocado remédios na comida de Anderson, por isso, sua saúde estava debilitada.

Fonte: Pleno.News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...