terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Cristãos sofrem a maioria das violações de liberdade religiosa na Coreia do Norte



A Korea Future Initiative (KFI) , uma organização de caridade sem fins lucrativos, lançou recentemente a primeira fase do relatório “Perseguindo a Fé: Documentando violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte”, que analisa “o status da religião e crença na Coreia do Norte, incluindo sua manifestação nas formas teísta, não teísta e ateísta”.

Tem como objetivo “fornecer uma contabilidade precisa dos padrões de violações documentadas dos direitos humanos associadas à religião e crença, que poderiam apoiar a dissuasão e a responsabilização, para informar a tomada de decisões na comunidade internacional”.

Os investigadores conduziram 117 entrevistas com sobreviventes , testemunhas e agressores. “No total, 273 vítimas de violações da liberdade religiosa foram documentadas. 215 deles aderiram ao cristianismo ”.

“As idades variavam de 3 a mais de 80 anos. Mulheres e meninas representaram quase 60% das vítimas documentadas. Também identificamos 54 agressores individuais dessas violações da liberdade religiosa”, disse a KFI.

Um testemunho citado no relatório diz: “Morar na Coreia do Norte significava que eu nunca poderia experimentar a liberdade religiosa. Em vez disso, experimentamos dois sistemas de violações que incapacitam nossa humanidade. Em primeiro lugar, as violações físicas dos direitos humanos que nos privam do arbítrio de nossos próprios corpos. Em segundo lugar, violações mentais dos direitos humanos ”.





“A liberdade religiosa é uma referência para todas as outras liberdades na Coreia do Norte. Sem liberdade religiosa, não pode haver outros direitos que nos permitam, o povo da Coreia do Norte, recuperar nossa humanidade”, diz o relatório.

“A adesão religiosa das vítimas é fundamental para cobrá-las”
As acusações criminais documentadas das vítimas incluíam “prática religiosa (149); atividades religiosas na China (110); possuir itens religiosos (78); contato com pessoas religiosas (77); frequentar locais de culto (72); e compartilhar crenças religiosas (22).

As principais violações dos direitos humanos são “ vigilância arbitrária , prisão, detenção, prisão e/ou interrogatório; repulsão; punição de familiares; tortura ou agressão física; violência sexual e abortos forçados ; execução; julgamentos públicos ou reuniões de exposição de residentes; abuso verbal; e trabalho forçado”.

“As acusações de vítimas por questões religiosas muitas vezes se cruzam com outras acusações criminais, como travessia ilegal de fronteira. Além disso, em muitos casos, uma única vítima sofreu múltiplas violações”, explica o relatório.

Segundo a KFI, “em cada caso documentado, a adesão ou associação religiosa da vítima foi fundamental. Um número significativo de vítimas experimentou formas semelhantes de violência extrema”.

“Vários entrevistados presenciaram ou testemunharam a prisão de pessoas que foram denunciadas às autoridades norte-coreanas por prática religiosa por seus amigos, familiares, associados, vizinhos ou comunidade”, aponta o relatório.

A maioria das detenções “ocorreram em diversos locais, como nas casas das vítimas, e caracterizaram-se por um véu de sigilo e pela ausência de explicação quanto aos motivos das detenções”.

Além disso, “os entrevistados falaram sobre serem repetidamente advertidos em palestras e reuniões de unidades de pessoas para não lerem Bíblias e denunciarem quem possuía uma”.

O relatório apresenta vários testemunhos de abusos e violência contra cristãos, tanto homens como mulheres.

Um homem, por exemplo, “foi colocado dentro de uma jaula em um centro de detenção provisória. Havia barras de aço em todos os quatro lados que foram aquecidas com eletricidade. Fiquei sentado 12 horas, até desmaiar, e continuei orando a Deus para me salvar ”.

Algumas mulheres foram forçadas a fazer abortos em que bebês nascidos vivos morriam sufocados. “As mães eram então obrigadas a retomar o trabalho manual no dia seguinte ao aborto e sem medicamentos e sem descanso”, diz o relatório.

Os investigadores também detalharam “como os entrevistados foram ativamente educados na educação antirreligiosa desde os quatro anos de idade . Enquanto o budismo e o cheondogyo foram explicados como questões de interesse histórico, ao invés de religiões, o cristianismo foi destacado para receber atenção dentro do sistema de escolas públicas ”.

“Vários entrevistados falaram de livros contendo seções sobre missionários cristãos que listavam seus atos malignos , que incluíam estupro, sucção de sangue, extração de órgãos, assassinato e espionagem”, acrescentam.

A KFI acredita que “as conclusões factuais contidas neste relatório serão, sem dúvida, motivo de preocupação para a comunidade internacional “, porque “representam um perigo não apenas para a Coreia do Norte, mas para o princípio comum de que todo ser humano nasce livre e igual em dignidade e direitos”.

O Lord Ahmad de Wimbledon, Reino Unido, representante especial do primeiro-ministro sobre a Prevenção da Violência Sexual em Conflitos e ex-enviado especial para a Liberdade de Religião ou Crença, informou que duas entidades envolvidas na administração do sistema penal norte-coreano estavam enfrentando sanções no âmbito do Reino Unido.

Ele também enfatizou que “defender o direito à liberdade de religião ou crença para todos é uma prioridade para o Ministério das Relações Exteriores, da Comunidade e do Desenvolvimento.

“O novo relatório da KFI contém relatos perturbadores de violações das liberdades na Coreia do Norte e consideramos isso uma contribuição valiosa para garantir que as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte sejam documentadas para fins de responsabilização e dissuasão”, concluiu.

Leia o relatório completo em inglês de “Perseguição da Fé: Documentação de violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte”, aqui.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...