segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Polícia invade templo da Assembleia de Deus e leva cabos de som por suposta pertubação



Um polêmico caso ocorrido em uma igreja evangélica na cidade de Cantu (PR) causou um grande debate nas redes sociais. A igreja divulgou uma nota à imprensa explicando que tudo não passou de uma suposta perseguição religiosa. Confira abaixo:


Domingo, dia 05 de fevereiro, ao meio dia a orquestra da Igreja Assembleia de Deus, composta por crianças, adolescentes e jovens, foi surpreendida no pátio da Igreja pela chegada de aproximadamente (10) dez policiais militares armados que estacionaram 04 viaturas nas ruas, pátio, inclusive uma delas interditou a Avenida Manoel Ribas, que dá acesso à entrada da Igreja.

Cabe lembrar, que o ensaio já havia terminado, inclusive o maestro Oriel Bezerra teria fechado as portas do templo.


Acontece que os músicos e líderes da igreja foram tratados pelos policiais com deboche e desdém, sobe a alegação que uma vizinha teria reclamado do volume do som, sendo assim, ordenaram que a Igreja fosse aberta e acabaram por levar cabos que fazem parte do som e os responsáveis encaminhados a prestar depoimento.

Ocorre que essa não é a primeira vez que a Polícia Militar atende prontamente o pedido dessa vizinha, deslocando várias viaturas e policiais. Não seria nesse caso uso abusivo e excessivo de bens públicos?

Essa pessoa tem perturbado todos os tipos de reunião da igreja, independente do horário, já entrou no templo gritando; o esposo foi armado até a porta do templo na intenção de intimidar os recepcionistas etc. Nos parece que existe uma ligação amigável e até pessoal entre alguns policiais e a reclamante já que a mesma trabalha no fórum da cidade e no momento de tomar os depoimentos para o termo circunstanciado/ boletim de ocorrência, a referida “vizinha” chegou na sala, digitou e auxiliou a policial que estava de serviço.
Vale salientar, que as crianças frequentadoras da igreja e da orquestra já estão traumatizadas, choram e ficam visivelmente nervosas com a presença da polícia militar nas instalações da igreja pela forma rude que foram realizadas as abordagens.

Cabe lembrar ainda que, a Igreja Assembleia de Deus tem sua sede no mesmo endereço há 60 anos e tem convivido em harmonia com os demais vizinhos e comunidade guarapuavana,além disso, possui um aparelho que mede os decibéis e tem horários regulares para realização de suas reuniões.

Veja o que diz o Código Penal Art. 208. Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso;
Pena – detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.

Assessoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...