sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Espaço EBD

O Tempo para Todas as Coisas - Ev. José Roberto A. Barbosa

Texto Áureo: Ec. 3.1 - Leitura Bíblica: Ec. 3.1-8
Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
www.subsidioebd.blogspot.com
Twitter: @subsidioEBD
INTRODUÇÃO
A partir desta lição estudaremos alguns temas extraídos do livro de Eclesiastes, um tratado filosófico judaico, cujo fundamento é a vida com Deus. O Coelet, ou homem da assembleia, Salomão em sua idade avançada, reflete a respeito do sentido da vida, e dos valores que permanecem diante do Senhor. Na aula de hoje aprenderemos sobre o tempo, considerando a cosmovisão bíblica, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, ao final, mostraremos a necessidade de reconhecermos que o Deus é o Senhor do tempo, e que devemos viver para Ele, buscando sempre a Sua glória.
1. A DEFINIÇÃO DE TEMPO
O tempo na cosmovisão judaica é diferente da experimentada no contexto ocidental. Para os hebreus o tempo era percebido inicialmente como uma sucessão de ciclos com eventos recorrentes. Tal perspectiva estava fundamentada na observação dos ciclos naturais, como o dia e a noite, e também no calendário religioso, com base nos sábados, festas anuais, anos sabáticos, e jubileus. Deus, nessa percepção, é o Senhor do tempo (et em hebraico), pois a Ele esse pertence. No Antigo Testamento o tempo está atrelado a alguns eventos específicos, e por meio do et, palavra hebraica para tempo, é possível expressar quando um evento ocorre (Em. 8.11; I Sm. 20.12; II Sm. 11.1; Jr. 8.7). O substantivo hebraico paam também carrega o sentido de sequência de eventos (Ex. 23.17; Lv. 4.6), o encontramos pela primeira vez em Gn. 2.23, em que essa palavra é traduzida, em algumas bíblias, como “agora”. Nessa passagem, Adão destaca que, muito embora estivesse no tempo, e cumprisse sua responsabilidade, dando nome aos animais, somente em um momento específico ele encontrou satisfação, quando Deus lhe deu uma companheira. No Novo Testamento, o tempo pode ser descrito pelas palavras aion, kairós e chronos. Aion indica um tempo prologado, tal como a eternidade, uma era no mundo. Kairós, por sua vez, é usado como um indicador temporal, designado um tempo específico de Deus (Mt. 11.25; 12.1; 13.30; 14.1). Esse termo geralmente está relacionado ao tempo da salvação do Senhor, tal como o tempo do nascimento de Moises, que conduziu o povo do Egito (At. 7.20), ou como ao do próprio Cristo, que realizou o segundo Êxodo, livrando os crentes da perdição eterna (Mt. 26.18; Mc. 1.15; Lc. 19.44; Jo. 7.6,8; Rm. 5.6; Ef. 1.10). Pedro destacou que a vinda de Cristo marcou o tempo a respeito do qual trataram os profetas (I Pe. 1.10-12). Paulo, por sua vez, revela que no devido kairos, Jesus retornará para arrebatar a igreja (I Tm. 6.15), e posteriormente, para o julgamento final (Ap. 1.3; 11.18; 22.10). Chronos é o tempo no sentido cronológico (At. 13.18), é nesse sentido que Paulo destaca a vinda de Cristo como a plenitude do tempo (Gl. 4.4), e Pedro dos últimos tempos (I Pe. 1.17).
2. O TEMPO NO ECLESIASTES
No capítulo 3 de Eclesiastes, Salomão apresenta várias  declarações sobre o tempo de Deus na vida das pessoas. De modo que há tempo para todo propósito debaixo do céu, isso porque tempos e estações são uma parte normal da vida, independentemente de onde as pessoas vivem. A vida humana cumpre uma sequência de ciclos: 1) nascer e morrer (v. 2) - o nascimento e a morte não são contingências humanas, mas determinações do próprio Deus, que está no comando de todas as coisas (Gn. 29.31-30.24; 22.5; Js. 24.3; I Sm. 1.9-20; Sl. 113.9; 139.16; Jr. 1.4,5; Lc. 1.5-25; Gl. 1.15; 4.4); 2) matar e curar (v. 3) - mesmo com todos os cuidados da ciência moderna, existem epidemias na terra, que ceifam as vidas de várias pessoas (I Sm. 2.6), mas Deus pode realizar milagres, e curar os enfermos (Is. 38); 3) espalhar pedras e ajuntar pedras (v. 5) - Israel é uma terra pedregosa, por isso, antes de plantar, é preciso limpar os campos antes de ará-lo, alguém poderá fazer o mal a outrem enchendo sua terra de pedras (II Rs. 3.19,25); 4) abraçar e afastar de abraçar (v. 5) - existe o tempo de encontrar, de fazer novas amizades, mas infelizmente, também de deixá-las para trás, de se distanciar até mesmo dos entes queridos; 5) buscar e perder (v. 6) - todos nós perdemos coisas, e de vez em quando precisamos procurá-las, mas existem momentos em que necessitamos aprender a perdê-las, a aceitar que elas simplesmente não farão mais parte de nós; 6) rasgar e coser (v. 7) - os israelitas rasgavam as veste como sinal de arrependimento (II Sm. 13.1; Ed. 9.5), portanto, existe o momento de chorar pelos pecados, mas também de se alegrar com o perdão que vem do Senhor; 7) amar e aborrecer (v. 8) - existem coisas que podemos gostar, mas outras devem ser aborrecidas, pois não agradam a Deus (II Cr. 19.2; Sl. 97.10; Pv. 6.16-19; Ap. 2.6,15)
3. O TEMPO NA PERSPECTIVA DA ETERNIDADE
Quando olhamos para o tempo na perspectiva meramente humana, acabamos frustrados, pois o tempo passa, principalmente quando reconhecemos que nada há de novo debaixo do sol (Ec. 3.9). Felizmente podemos olhar além, e saber que a vida do ser humano é uma dádiva de Deus (Ec. 3.10). Somente assim poderemos perceber o tempo de maneira positiva, aceitarmos a vida com boa vontade, mesmo diante das adversidades. O homem foi criado imagem e semelhança de Deus, por isso está ligado a Ele pela eternidade (Ec. 3.11). O próprio Deus colocou a eternidade no coração do homem, este tem sede do céu e nada o satisfaz, a não ser a presença do Eterno. A vida não precisa ser vista como um fardo, mas como um presente do Senhor (Ec. 3.13; I Tm. 6.17). Quando cremos em Jesus, nos tornamos filhos de Deus, passamos a fazer parte de um lar eterno (Jo. 14.1-6; II Co. 4). Dessa perspectiva, a morte não é o fim, apenas uma parte da eternidade, pois Deus está no comando dos ciclos da vida (Ec. 3.15). Em Cristo Deus entrou na história, Ele morreu e ressuscitou, rompendo o ciclo de vida e morte, colocando-nos em uma no relação com o tempo (II Co. 5.17-21). Por esse motivo os salvos em Cristo que estiverem no corpo por ocasião do arrebatamento serão transformados, e aqueles que tiverem morrido no Senhor ressuscitarão (I Ts. 4.13-18; I Co. 15.35). Essa segurança nos dar firmeza necessária para enfrentar o dia-a-dia, vivendo cada momento na dependência de Deus, remindo o tempo (Ef. 5.15-17). Remir, em grego, é exagorazo, trata-se de uma metáfora comercial, afinal, como se costuma dizer “tempo é dinheiro”. Como cristãos precisamos aprender a usar bem o tempo, a investi nele de modo a dar glória a Deus, diferentemente daqueles que não conhecem a Deus (Cl. 4.5), ciente sobretudo que os dias são maus. Somos mordomos do tempo que nos foi dado, um dia prestaremos contas a Deus sobre como o utilizamos. Portanto, não podemos ser preguiçosos ou indolentes (Pv. 6.6-11; 19.15), principalmente se tratando da missão urgente que a nós foi delegada (Jo. 9.4).
CONCLUSÃO
O tempo é precioso, dele somos feitos, por isso nosso futuro depende de como o utilizamos (Rm.  2.7-10). Devemos ter cuidado para não desperdiçar o tempo em coisas fúteis, como faziam os atenienses (At. 17.21). O investimento no tempo é uma questão de prioridade, e essa deve ser posta no reino de Deus (Mt. 6.33). A partir das considerações de Salomão, aprendemos que há tempo para todo propósito, mas que esse tempo terreno é limitado, por isso, devemos, com sabedoria, discernir quanto ao uso apropriado do tempo, buscando a glória de Deus em tudo que fazemos (I Co. 10.31).
BIBLIOGRAFIA
KIDNER D. A mensagem de Eclesiastes. São Paulo: ABU, 2004
WEIRSBE, W. W. Ecclesiastes: be satisfied. Colorado Springs: David Cook, 2010.
Publicado no blog Subsídio EBD 
converter em pdf.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...