segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Pastores não se sentem qualificados para lidar com questões sexuais difíceis, revela pesquisa



Novas pesquisas revelam que, enquanto os pastores enfrentam rotineiramente questões sobre sexualidade, particularmente áreas de dor e quebrantamento, poucos se sentem qualificados para falar sobre isso.

A pesquisa – Sexualidade e a Igreja na América I: Os pastores estão respondendo aos desafios sexuais dentro da Igreja? – que foi divulgada na semana passada e explora como os pastores americanos estão abordando questões sexuais dentro de suas congregações, foi baseado em pesquisas conduzidas pelo Grupo Barna com 410 pastores protestantes. A pesquisa foi patrocinada pela Fundação Brushfires, True North Freedom Project e Covenant Eyes.

Os resultados mostraram que 99 por cento dos pastores entrevistados lidaram com pelo menos uma questão sobre sexualidade no ano passado, e 27 por cento lidaram com 13 das 18 questões diferentes trazidas na pesquisa, com membros da igreja ou funcionários.

O relatório também mostra que sete em cada 10 pastores são abordados muitas vezes por ano com preocupações sobre o quebrantamento sexual, com 22 por cento se aproximando mensalmente ou mais. No entanto, quando os pastores foram questionados sobre suas qualificações para lidar com problemas sexuais, menos de um terço deles relataram que se sentiam “muito qualificados” para responder a 15 dos 18 problemas sexuais da pesquisa.

Entre as questões abordadas estavam a infidelidade conjugal, o uso de pornografia por maridos e mulheres, sexting, abuso sexual ou agressão e lutas com a atração pelo mesmo sexo. A mais comum das questões sexuais nos pastores do estudo é sobre a infidelidade conjugal, com oito em cada 10 pastores relatando ser abordado sobre isso no ano passado.

Em média, os pastores foram abordados pelos membros de suas igrejas ou funcionários sobre nove de 18 questões sexuais da pesquisa, no ano passado. Apenas sete questões foram classificadas por, pelo menos, um quarto dos pastores como estando entre aquelas que se sentem “muito qualificadas” para tratar.

“Falei com muitos pastores que são fortemente treinados em questões teológicas, mas têm muito pouco treinamento pastoral. Teologicamente, é fácil, simplesmente dizer que um comportamento ou pensamento é errado ou imoral, mas viver nossa fé em um mundo pecaminoso é confuso e não tão fácil de lidar, especialmente, porque a maioria das pessoas com menos de 40 anos foi completamente influenciada por uma cultura sexualizada desde a juventude “, disse Daniel Weiss, fundador e presidente da Fundação Brushfires, que acredita que está na raiz do colapso e do fenômeno de tantos pastores se sentindo desqualificados para falar esses tópicos.


“A sexualidade tem desafiado os seres humanos desde o início porque é tão essencial para o plano de Deus para a prosperidade humana. Se Deus fez a sexualidade humana para apresentar uma imagem terrena da comunhão divina, então não é por acaso que nossos relacionamentos humanos estão sob um ataque tão grande.”

“Mesmo assim, os primeiros apóstolos abordam isso claramente e sem equívocos. Nossos corpos são destinados a honrar a Deus e a maneira como praticamos a castidade e a fidelidade dentro do casamento é um testemunho claro do amor maior de Deus. O mundo ficou tão surpreso com tal testemunho 2.000 anos atrás, como é agora”.

Para envolver efetivamente o assunto, o individualismo cristão e a mentalidade que o acompanha têm que morrer, ele prosseguiu.

“Deus não nos criou para viver sozinho ou em comunidade fraca. Ele nos fez à Sua imagem e semelhança, uma comunidade robusta e interpessoal que flui com amor e doação. Quantas de nossas igrejas realmente se parecem com isso hoje? Muito poucas, mas isso precisa mudar.

“Assim também, nossos esforços fracos ou inexistentes em fazer discípulos. A sexualidade é parte integrante de um modo de vida totalmente novo para um cristão. No entanto, sem professores, mentores, amigos e família para nos ajudar na prática diária de viver nossa fé – falhar, ser perdoado e avançar novamente – não podemos mudar o impacto devastador da revolução sexual sobre a Igreja”.

Os pastores foram pesquisados ​​durante a última semana de outubro de 2017, incluindo diretores-gerais como a American Baptist, a United Methodist e a Presbyterian Church USA, além de evangélicos não denominacionais.

Dois terços dos pastores “concordam fortemente” que as igrejas devem ajudar as pessoas nessas questões, mas apenas 56% dos pastores que ganham menos de US$ 40.000 por ano dizem isso. Isso contrasta com os 70% dos pastores que ganham US$ 60 mil por ano que responderam de maneira semelhante sobre o papel da igreja nesses assuntos.

Embora a pesquisa se concentre em pastores, nenhum cristão deve pensar que abordar a sexualidade é o único trabalho do pastor, explicou Weiss.

“Está claro em nossa pesquisa e experiência comum que nossos pastores estão sobrecarregados. Precisamos repensar nossas estruturas de organização e treinamento para possibilitar que toda a igreja busque o discipulado sexual em conjunto. Esse trabalho deve ser integrado, não só a força vital do ministério principal da igreja”, disse ele.
Fonte: The Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...