terça-feira, 25 de setembro de 2018

Nos EUA, faculdade evangélica permite namoro gay no campus e gera polêmica



Uma importa insituição cristã de ensino nos EUA, a Faculdade Evangélica Azusa Pacific anunciou na semana passada que permitirá relações LGBT’s para estudantes no campus após anos de pressão.

A Zu Media , o jornal estudantil, informou na semana passada que funcionários da universidade cristã na Califórnia decidiram remover essa proibição que constava em seu código de conduta dos alunos que proibia tais relacionamentos no campus.


A APU disse que apesar da mudança, marcada para entrar em vigor no segundo semestre de 2018, ainda apóia os “princípios bíblicos da sexualidade humana”, na crença de que “a união sexual é planejada por Deus para ocorrer somente dentro da aliança matrimonial entre um homem e uma mulher.”


Ativistas LGBT há muito pediam a mudança, e realizaram uma vigília em novembro de 2017 em favor de um ex-funcionário que processou a universidade por demissão injusta, alegando que ele foi assediado e agredido por colegas que acreditavam que ele era gay.

O jornal da escola explicou que o desenvolvimento é o resultado de um longo diálogo entre os estudantes e a administração, e anos de esforços para esse fim.

Decano Associado de Estudantes, Bill Fiala descreveu a mudança do código de conduta do estudante: “As mudanças que ocorreram nos manuais sobre o comportamento sexual criam um padrão para todos os estudantes de graduação, em oposição aos padrões diferenciais para diferentes grupos”, disse Fiala.

“A mudança que aconteceu com o código de conduta ainda está alinhada com nossa identidade como uma instituição cristã. A linguagem mudou, mas o espírito não. Nosso espírito ainda é uma perspectiva conservadora e evangélica sobre a sexualidade humana”.

Algumas lideranças, como Erin Green, co-diretora executiva da Brave Commons e ex-aluna da APU, que pressionou pelo reconhecimento de grupos LGBT, disse que era “injusto” excluir pessoas em relacionamentos homossexuais.

“Os estudantes queer são tão capazes de romantizar relacionamentos que obedecem às regras da APU. O código usado falsamente assumia que romances de mesmo sexo sempre envolviam comportamento sexual. Essa estigmatização causa danos à nossa comunidade, especialmente àqueles que são sérios sobre sua fé cristã”. insistiu.

Junto com a mudança no código de conduta, haverá também um novo programa piloto com o objetivo de fornecer “um espaço seguro para os alunos LGBTQ + no campus”.

Futuro


Fiala disse que a esperança é que os estudantes “experimentem respeito, justiça, graça e compreensão”.

“Se você olhar para a nossa missão, ela é consistente com o cristianismo. Nossos valores para o programa piloto são inclusividade, amor, bravura. Nossos objetivos são cuidado, conexão e conversação. Todos eles parecem valores cristãos para mim”, continuou ele.

“Acredito que a missão do nosso programa é o alinhamento com os valores da universidade ao cuidar dos alunos e criar conversas sobre tópicos difíceis.”

Críticas

Comentaristas conservadores, como o autor cristão ortodoxo Rod Dreher, criticaram a decisão, no entanto.

“Eles podem dizer a si mesmos o que quiserem sobre seu ‘espírito’, mas é auto-engano. É assim que as instituições conservadoras se entregam: desistindo, depois dizendo a si mesmas (e seus doadores) que não se renderam. a mesma coisa que salvar os valores centrais da instituição “, escreveu ele no site do The American Conservative no sábado.

“A Azusa Pacific é uma importante escola evangélica. Será muito interessante ver o que o restante das escolas da CCCU (Conselho de Faculdades Cristãs e Universidades) farão em resposta”, disse ele ao The Christian Post.

JM Noticia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...