terça-feira, 16 de maio de 2017

Sifrá e Puá as Parteiras de Faraó. Ex. 2:15-22 - Por Marlon Araújo


As mulheres de Êxodo 2.15-22 são anônimas. Certamente não havia apenas duas parteiras para um país inteiro! O texto bíblico, na verdade, faz um elogio quando chama duas, dentre muitas, de Sifrá e Puá, que significam, respectivamente, beleza e esplendor. São títulos que enfatizam seu ato de coragem, e muito mais do que nomes próprios.
O faraó, preocupado com a força potencial do povo hebreu, manda matar os meninos. “Mulheres são frágeis, não constituem ameaça. Podem viver”. Assim pensava ele, temendo apenas o físico e o bélico. Mas as mulheres resistem, baseadas em astúcia e inteligência. Não com armas, mas com estratagemas. Com despistes, para que Faraó não veja a vida poupada de propósito. Essas mulheres nos desafiam à reflexão frente à natureza essencial do seu trabalho. Vivemos tempos em que parece impossível falar em essência, quando tudo parece tão maleável e mutável. Mas há uma série de valores intrínsecos ao trabalho delas e que, à luz de nossa reflexão sobre a denúncia da violência sofrida pelas mulheres, nos chamam à atenção e nos desafiam à ação.Qual a função essencial de uma parteira? Trazer crianças ao mundo de forma segura e saudável, tanto para elas quanto para suas mães. A ordem do Faraó, portanto, vai contra o que lhes é mais elementar. Onde a vida nasce, ele pede que haja morte. Isso não pode ser feito sem que algo muito interior seja negado, sem afetar definitivamente o caráter da pessoa, aquilo com o que ela se compromete.

As parteiras adotam uma estratégia para manter a vida. Com isso, assumem o risco de perder as suas próprias. Estão diante de uma ameaça mortal, porque o poder do Faraó é verdadeiro e fatal. Ao nosso redor também impera a lei da morte. O faraó está à solta, pois ele é, para nós, todo sistema antivida que possa existir. Jesus disse: “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e vida em abundância” (João 10.10). Ele também disse: “assim como o Pai me enviou, eu também vos envio”. Se o ministério de Jesus é dar vida, isso significa que o nosso também tem que ser.
Compromisso é essencial. Compromisso com a vida, com a atenção às coisas que podem fazer a diferença. Compromisso para denunciar, mobilizar, educar e transformar. Como as parteiras fizeram em seu tempo, com as estratégias que tinham à mão. As pessoas e comunidades cristãs podem fazer o mesmo, apoiando conselhos tutelares, ONGs diversas, palestrando, alertando, denunciando, educando para a vida.
A vida está na unidade. Foi o que as parteiras fizeram: elas não enfrentaram a luta com as mesmas estratégias de morte que o Faraó queria. Mantiveram a fidelidade ao seu chamado: preservaram a vida, apesar das consequências. Elas temeram a Deus mais do que temeram o Faraó. Por isso, de muitas formas, o derrotaram. O povo sobreviveu. Então seremos Parteiros, e não Coveiros, porque é tempo de Gerar Vida!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...